Um ano com a gama Shimano SLX de 12 Velocidades

POR: Tiago Rio
FOTOS: Tiago Rio

Há cerca de um ano a Shimano agitou o mercado com o lançamento da gama SLX de 12 velocidades. Estivemos a testá-la a fundo durante este tempo todo, para te dizer tudo o que precisas saber sobre esta série que oferece uma das melhores relações qualidade preço do mercado.

A nível de design tem muito em comum com as gamas XT e XTR – podemos afirmar que tem um aspeto fantástico com o seu acabamento cinzento-titânio! E com as funcionalidades herdadas dessas gamas superiores, a gama SLX tem cada vez mais para oferecer: transmissão 1x12 com 10-51 dentes para maior versatilidade, Hyperglide para passagens mais suaves, e desviador com tecnologia Shadow RD para manter a tensão na corrente mais elevada.

Transmissão

A primeira sensação quando começamos a utilizar a transmissão, é que estamos perante um grupo de nível superior, tal a suavidade nas passagens, e o baixo ruído que produz. Mesmo quando nos encontramos numa mudança demasiada pesada e forçamos a passagem, o SLX consegue subir com sucesso a corrente para os carretos maiores de forma impressionante. Essa sensação inicial de suavidade tem-se mantido ao longo da utilização, o que comprova a excelente durabilidade dos produtos Shimano. O manípulo de mudanças não tem o painel em borracha das gamas XT e XTR que oferece a melhor aderência ao polegar, mas ainda assim o seu plástico é texturado para conferir uma aderência mais que aceitável. A sua ação é leve ao toque, não sendo necessário pressionar com muita força. No entanto, ao passar a corrente para um carreto mais pequeno, o manípulo apenas permite descer um prato de cada vez, ao invés do XT que permite descer 2 num único premir do botão.

O rácio dos carretos maiores (33t, 39, 45 e 51) contribui bastante para esta suavidade, pois equilibra a diferença de andamento entre cada carreto e torna mais fácil decidir qual a mudança correta a utilizar no momento. O que distingue a cassete SLX da gama seguinte – XT – é a utilização de apenas 1 carreto em alumínio, ao invés de 2 na cassete XT. Isto significa que a SLX é mais pesada, mas terá menos desgaste no segundo prato, que provavelmente será um dos mais utilizados em subidas. A instalação da cassete SLX é mais complexa do que o habitual, pois os pratos mais pequenos são separados do corpo central e têm de ser montados e alinhados individualmente no cepo Micro Spline.

Dos cranques e do eixo pedaleiro, não há muito a falar: a instalação é fácil, cumprem a sua função de forma exemplar, e o desgaste que apresentaram é perfeitamente adequado ao uso. No fundo, aquilo que estamos habituados quanto se trata de produtos Shimano.

Travões

A versão dos travões SLX que testámos é de 4 pistões, a mais adequada para uso em Trail ou Enduro. Desde o início que ficámos impressionados com a potência de travagem e a capacidade de modulação oferecida por este modelo. Neste ano que passámos com eles, nunca houve uma situação em que sentíssemos falta de potência na travagem, mesmo em descidas mais longas que em tantos outros modelos causam sobreaquecimento e perda de potência. Isto deve-se em parte ao sistema dissipador de calor que vem com as pastilhas. Apenas se nota algum aumento do ruído de travagem devido às temperaturas mais elevadas.

O design das manetes Shimano proporciona uma excelente ergonomia, o que ajuda à sensação de controle na ponta do dedo. Não incluem o padrão de furos das manetes XT e XTR, destinado a oferecer o máximo de aderência, mas a verdade é que nunca sentimos falta disso, pois o encaixe do dedo na manete é perfeitamente seguro. Incorporam ainda a tecnologia I-Spec EV que permite montar o manípulo das mudanças diretamente na manete de travão, evitando uma abraçadeira adicional, e mantendo o cockpit o mais limpo possível.

Veredito

Este último upgrade feito à gama SLX, torna-a uma série candidata ao título da gama com a melhor relação qualidade/preço no mercado. Tem tudo o que é necessário para disfrutarmos nos trilhos, e um preço mais que acessível. Torna-se mesmo difícil em alguns casos justificar a opção pela gama XT - dada a relativa diferença de preço - exceto pela questão do peso mais reduzido.

Se procura uma nova transmissão para renovar a sua bicicleta, ou uns travões mais potentes, mas necessita de manter o orçamento controlado, esta gama SLX é a escolha certa.

FICHA TÉCNICA

Prós: Excelente desempenho a um preço acessível

Contras: Mais pesado que os grupos XT ou XTR

Site do fabricante